De Piaf a Elis – Música e Dança Flamenca

Sharon Sultan, Renata Chauvière (Tiza) e Luciano Câmara se reúnem no dia 15 de março no Teatro Maison de France para o espetáculo “De Piaf a Elis”, projeto concebido pelos três. Com o objetivo despretensioso de visitar pontualmente o repertório de duas grandes artistas da música, cujas vidas foram intensas, cheias de amor, drama e arte, o espetáculo traz em sua linguagem a música e a dança flamenca.

Sharon é bailarina franco-israelense que o Rio de Janeiro teve a oportunidade de prestigiar no Theatro Municipal como bailarina flamenca solista de Dom Quixote; Renata – mais conhecida como Tiza – é cantora flamenca e; Luciano é violonista e arranjador, que atua tanto no cenário da Música Brasileira como da Arte Flamenca. Estes três artistas que têm a arte flamenca em comum em sua história, utilizaram essa linguagem como elemento motivador e criaram uma obra que percorre caminhos do Brasil à França, e da França ao Brasil, numa trajetória que usa as músicas para dançar emoções.

A ideia do espetáculo surgiu de interesses em comum entre Tiza, Sharon e Luciano. Tiza já havia cantado “Ne me quittes pas”, de Piaf, com o Grupo Toca Madera no espetáculo “Transitório” e cantou “Je ne regrette rien”, junto com o Luciano, em um dos Tablados da Casa de España para que a Sharon dançasse. O resultado foi tão positivo, que eles pensaram em transformar isso em um show inteiro seguindo esse conceito, combinando com algum nome brasileiro. Pensaram em diversos cantores nacionais. “Quando eu asssiti a biografia das duas (Piaf e Elis), pensei ‘gente, essas mulheres são um mundo e elas já têm muita coisa em comum'”, explica Tiza. A cantora ressalta que não haverá nada cantado ou tocado como as músicas originais e garante que o público irá se surpreender com o resultado.

O espetáculo conta com os artistas convidados: Camila Valdeavellano, artista plástica que pintará em cena, capturando movimentos, memórias e momentos; Geórgia Câmara, que tratá na percussão o coração de cada música; o Quarteto Cais, com suas cordas que darão distintas nuances aos temas sob a regência de Luciano Camara e; as bailarinas flamencas Laura Laguna e Tatiana Bittencourt, que abrilhantam a dança no espetáculo.

Com relação ao processo criativo, todo mundo participou muito ativamente e todas as opiniões foram levadas em consideração. “Sharon dá uma liberdade muito grande e não interfere em nada. Só depois é que ela vai moldando, resolvendo as coisas e deixando tudo ainda mais bonito”, conta Tiza.

Para montar o roteiro, Tiza explica que ela sempre busca algum elemento que as pessoas possam trazer para a vida de alguma forma. Nesse espetáculo, eles buscaram fazer algo que nunca tinham feito cênicamente: Sharon tinha a vontade de fazer um espetáculo que fosse um grande número inteiro; Tiza também queria que a música soasse como a construção de uma música erudita; e o Luciano queria o tema fosse reincidente – no final, as três ideias são convergentes. “A gente queria que eu, Camila e Sharon fôssemos faces da mesma pessoa, cada uma dentro da sua arte. A ideia era mostrar como éramos as mesmas e como a gente desenvolvia diferentes fases: saindo de um amor homem/mulher até mergulhar na busca do próprio ser, de quem realmente somos, onde o amor toma uma outra dimensão e deixa de ser uma paixão – muda o significado”, contextualiza Tiza.

Tiza complementa ainda que “Sharon, quando veio ao Brasil, foi muito bem recebida pela Tati e pela Laura e, por isso, resolveu convidá-las, mas mantendo o mesmo roteiro: então, no lugar de 3 faces, temos agora 5 faces. São 5 faces da mesma pessoa que, na verdade, vai se descobrindo e vivenciando esse amor doentio, de paixão que destrói até descobrir que a coisa não vem de fora, mas de dentro. E a Laura acaba tendo uma participação importante e oportuna por estar grávida, fazendo com que a ideia vá ainda mais longe do que a gente esperava”.

As canções eternizadas por Edith Piaf e Elis Regina encontram a paixão da música e da dança flamenca.  Os clássicos: “Fascinação”, “La Vie en Rose”, “Me Deixas Louca”, “ Ne me quittes pas”,  “Atrás da Porta”, “L’Accordeoniste”, “Dois pra lá Dois pra cá”, “Preciso Aprender a Ser Só”, “Vivendo e Aprendendo a Jogar”, “Hymn a l’amour”, “Amor Até o Fim” e “Non, Je ne Regrette Rien” serão tocados de um jeito que nunca se ouviu. As músicas se sucedem com a intenção de contar uma história na qual Sharon, Renata, Camila, Laura e Tatiana são personagem central que pode ser uma, que pode ser Piaf, Elis ou todas as mulheres.

“De Piaf a Elis” é um espetáculo que traz em si elementos contrastantes e tão intensos como as artistas que o inspiram: uma proposta delicada em sua essência com a intenção de sentir com o público a mesma força que a atuação de Piaf e de Elis provocavam em cena; uma proposta ousada por ter dois gênios da interpretação como inspiração com o único intuito de homenagear a estas grandes mulheres.

Ficha Técnica:
Direção Musical –  Luciano Camara
Bailarina – Sharon Sultan
Canto: Renata Chauvière (Tiza)
Participações  Especiais
Quarteto Cais – Maria Clara VAlle (violoncelo), Tina Werneck (viola), Renata Neves e Karin Verthein (violinos)
Percussão  – Geórgia Camara
Pintura em cena com a Artista Plástica Camila Valdeavellano
Bailarinas: Laura Laguna e Tatiana Bittencourt

Local: Teatro Maison de France
Endereço: Av. Presidente Antônio Carlos, 58 – Castelo
Dia:15/3/2017
Hora: 19h30
Ingressos: R$ 50,00

Vendas: na bilheteria do teatro de terça a domingo a partir das 15h30
Vendas online: compreingressos.com
Apoio: Estação da Dança Ipanema onde seu ingresso vale meio mês de aulas
Fotos de divulgação: Maria Helena Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *